sexta-feira, 17 de abril de 2015

Xixis e otites. A parceria improvável!

Bebé e otite
Há uns valentes meses atrás... Primeiro mês de vida do piolho... mãe de primeira viagem... pai de primeira viagem... Os três sozinhos a descobrir ainda o que andávamos a fazer... Tudo era feito com muito cuidadinho, porque, como toda a gente sabe, os bebés partem-se, desmontam-se e desactivam-se ao mínimo descuido ;)
Cada troca de fralda, cada muda de roupa, gerava todo um processo minucioso, coreografado com precisão e detalhadamente programado. Era preciso ter cuidado... muito cuidado...
Cuidado porque estava frio... cuidado porque podia bolsar o leitinho... cuidado porque levantar as perninhas no ar podia magoar... cuidado porque a criaturinha indefesa não gostava de ser agarrada de certa forma e desatava a chorar... cuidado porque devia estar a doer a barriguinha devido às cólicas... cuidado porque alguém tinha dito que assim não se fazia... cuidado porque não sabíamos se estávamos a fazer a coisa bem... cuidado porque ontem tinha acontecido isto... cuidado porque a pediatra tinha avisado aquilo...
Acho que quem já passou por esta fase de pânico dos primeiros meses percebe bem a ideia ;)
Quem ainda não chegou lá, aproveite para rir agora :) porque depois... o pânico que se irá instalar no momento da troca das primeiras fraldas é 100% paralizante e avassaladoramente assustador. I have been there :)

Muito pode, efectivamente, acontecer naqueles 10 a 15 minutos em que se desenrola o processo da muda da fralda. Sim, ao início, mudar uma fralda demora quase o mesmo tempo que fazer uma omelete. Depois os timings da coisa vão encurtando.
Despir as 20 camadas de roupinhas mini, cheias de lacinhos e botões e fitinhas, tirar as botinhas e os bodies, aprovisionar o espaço em redor com tudo o que será necessário em caso de desastre nuclear (porque tudo pode MESMO acontecer durante uma muda de fralda, até um desastre nuclear...), acrescentar mais uns cremes, umas toalhitas e umas fraldas limpas (provisões necessárias para efectivamente se mudar a fralda) e, finalmente, pode abrir-se a dita fralda.
Uau, maravilhoso! Fez um cocó. E é castanhinho, que bom!
Sim, a cor, a consistência, a quantidade, a frequência, a aparência... tudo em torno de um cocó de bebé converte-se em fascínio para os recém-papás. Somos capazes de escrever verdadeiros tratados sobre o assunto. Não estou a ironizar, é verdade. I have been there... I am still there...
Depois, há talvez aqueles casos em que a malta se deixa levar demasiado pela coisa e decide activamente documentar os diversos tipos/cores de cocós e partilhar com o mundo... Case in point: http://brasil.babycenter.com/l4600029/o-coc%C3%B4-do-beb%C3%AA-fotos
Bem, ok. Não criticar... uma das várias lições que aprendi desde que fui mãe. Porque, invariavelmente, e mais cedo do que estaria à espera, acabo por fazer exactamente o mesmo que critiquei num momento em que, lá está, não sabia do que estava a falar porque ainda não tinha passado pela coisa :)
Voltando ao tópico.
Portanto, abrimos a fralda. Maravilhámo-nos com o dito cocózinho e começámos a limpar tudo com cuidado.
O processo estava a decorrer 100% conforme planeado.
Limpámos gentilmente toda a área afectada.
Pusemos creme no rabiosque para não assar. Pusemos pó talco na piloca para não ficar vermelhinha dos xixis.
Estava tudo a postos para fechar a fralda e recomeçar a vestir as 30 roupinhas com lacinhos e botõezinhos.
Mas...
...Eis que o completamente inesperado acontece!
E digo COMPLETAMENTE INESPERADO, porque, convenhamos, é preciso vários cometas estarem alinhados no mesmo milésimo de segundo para uma coisa destas acontecer...
O piolho decide começar descontroladamente a fazer um xixi.
Até aqui, é normal.
Os recém-papás cedo aprendem que 10 em cada 9 vezes em que se muda uma fralda (sim, 10 em cada 9), a cria decide fazer um xixi mesmo no momento ideal. O que leva a ter de se trocar todas as 40 roupinhas, pela quarta vez... NUMA MESMA MANHÃ...
Contudo, este xixi foi para lá de furtivo...
Foi um xixi ÉPICO...
Foi diferente de todos os outros xixis antes e depois deste...
Foi um xixi tipo Euromilhões, que só acontece uma vez na vida e mesmo assim, é preciso uma grande dose de pontaria...
Foi um xixi determinado... um xixi que queria deixar a sua marca nos anais da história... um xixi que não queria ser apenas mais um xixi... um xixi que queria ser para sempre recordado como o THE ONE.
Pois bem... o que se passou foi que a nossa cria, pequenina e indefesa, conseguiu fazer um xixi em arco e com a pressão ideal para o conseguir direccionar e canalizar em cheio para a orelha, enchendo LITERALMENTE toda a cavidade do ouvido!!
Obviamente, ao constatarmos que o mini buraquinho daquela amostra de orelhinha estava atestado de xixi, instalou-se o caos, o pânico, o horror, o drama!
Como é que raio íamos nós explicar às pessoas (sim, porque os recém-papás, temem esta coisa do 'como dizer às pessoas') que a criaturinha tinha ficado com uma otite porque tinha feito xixi para dentro do ouvido?
Ninguém ia acreditar... iam, obviamente, pensar que nós, pais de primeira viagem, não tínhamos tido cuidado durante o banho e que tínhamos deixado entrar água.
Resultado: ninguém teve otites :) E, após o pânico inicial da coisa, fartámo-nos de rir.
E os vossos pequeninos também tiveram episódios insólitos destes?

Sem comentários:

Publicar um comentário