quinta-feira, 23 de abril de 2015

Vergonha no supermercado | Primeiras palavras...

As primeiras palavras do bebé
Com o passar dos meses, é um orgulho e uma felicidade assistir à evolução do macaquinho cá de casa. Às vezes, nem acredito que um piolhinho tão pequenino consiga fazer tantas coisas diferentes, nem todas elas recomendáveis, diga-se... A criaturinha tem uma tendência especial para desafiar as “leis da gravidade”, mas adiante :)
Todos os dias há novidades, descobertas e novas aprendizagens. É mesmo assim. E enche-me de orgulho.
Contudo, há alturas em que sinto que tudo está a passar demasiado depressa... Ouvi tantas vezes, durante a gravidez, estas palavras: “crescem depressa, aproveita bem porque vais sentir saudades”, mas só agora começo realmente a perceber o que “crescem depressa” quer dizer... A sério, porque raio teimam as nossas amostrinhas de gente em crescer tão depressa? ;)
No entretanto, enquanto crescem e aprendem, há sempre aqueles momentos que deixam marca maior, que deixam saudades, e aqueles outros em que apenas queríamos encontrar um buraquinho para nos escondermos, enquanto decidimos se devemos desmanchar-nos a rir, ou desatar a fugir :)
Ora, pois então... lá estávamos os dois, eu e o piolho, no supermercado às compras. Enquanto passávamos pela secção das frutas e legumes, aproveitei para um momento didáctico, e fui perguntando o nome das frutas.

Até acertou um número considerável, embora quando em dúvida, a resposta-tipo era sempre 'batata'. So far, so good.
Depois fartou-se e começou a olhar em redor.
'Olha mãe, mina (menina)'. - Pois é, uma menina. Também está a comprar coisas como tu.
'Olha mãe, taaaanta águaaa'. - Pois é, muitas garrafas de água.
'Olha mãe, noia graaaaaaaaande. Mãe noia muuuuuito graaaaande.'
Para que conste, 'noia' é como a criatura diz 'senhora'. E, sim, a 'noia muuuuuito graaaade', era uma senhora um bocadito gordinha que estava também às compras e que aparentemente despertou a curiosidade do macaquinho, que decidiu gritar (e quando digo gritar, quero literalmente dizer GRITAR) mais duas ou três vezes o quão grande era a tal senhora.
Obviamente, a senhora percebeu bem o que a criança estava a dizer, mas não disse nada, pegou no carrinho e mudou de corredor.
E eu?
Bem, fiquei contente pelo cimentar de mais uma aprendizagem do piolho: perceber a diferença entre grande e pequeno... mas really???
Foi efectivamente um daqueles momentos em que queria ter um buraquinho bem bem pequenino...
Os vossos pequenos já vos pregaram partidas destas?

Sem comentários:

Publicar um comentário