sábado, 30 de maio de 2015

Como dar conta de tudo? | Casa, Trabalho, Bebé...

Esta é uma pergunta vital para quem é mãe. Principalmente, se não tiver ajudas de familiares ou empregadas, como é o meu caso.
Não vou negar, há dias bastante tramados e em que o nível de stress e adrenalina ronda os 500%.
Sim, porque há dias em que tudo acontece ao mesmo tempo... É mesmo assim, mas é preciso sermos mães durante vários meses para  conseguirmos ter o distanciamento necessário para perceber isso e aprender a lidar com as diversas 'crises' e 'fases', com alguma calma. Digo, alguma, porque mesmo tendo consciência de que é mesmo assim, e não há volta a dar, há momentos em que o desespero se apodera de nós... e claro, vá de chorar que nem umas madalenas arrependidas, achando que nunca vamos conseguir dar conta de tudo.

A boa notícia: VAMOS SIM! Todas as mães passam por momentos de insegurança e pânico completo, mas todas elas acabam por criar estratégias e técnicas de sobrevivência ao caos. Pode demorar um bocadinho, mas todas chegamos lá, não é?
A má notícia: o sentimento de desespero é recorrente. Não importa, o quão organizadas e disciplinadas consigamos ser, nem importa termos finalmente conseguido implementar uma rotina ou sistema que funciona, porque vai haver um dia, um momento, em que alguma coisa acontece e perdemos novamente 'o fio à meada'. Não para sempre, claro, mas por uns assustadores e caóticos momentos...
A solução: relativizar e priorizar sempre. «Não vale a pena entrar em pânico. Tudo se resolve. Tudo tem solução.» Há alturas em que eu repito baixinho estas frases, várias vezes, para me mentalizar que são, de facto, verdade. Mas, de quando em vez, eu própria duvido da efectividade destes meus pseudo-mantras. 
Contudo, tenho a dizer que, em quase dois anos de experiência como mãe, tudo tem mesmo, e sempre, uma solução e a calma é essencial para que tudo se resolva rapidamente e sem dramas maiores.
E, para que fique claro, eu digo isto com conhecimento de causa:
-Trabalho fora de casa.
-Toda a nossa família vive a mais de 200kms de nós.
-Não tenho empregada doméstica.
-Trato da casa, das refeições, das roupas, das compras, das contas.
-Tenho uma cadela.
-Moro num 3º andar, sem elevador.
-E o meu marido trabalha noutro continente.
Quem é mãe consegue perceber bem este meu... drama de base, chamemos-lhe assim.
Pois bem, é complicado e há dias em que me dava imenso jeito ter ajuda... Hoje sei que consigo, sim, dar conta de tudo sozinha.
Não vale a pena fazer dramas, nem complicar. É preciso fazer, faz-se.
Não dá para fazer agora, faz-se mais logo, ou amanhã, ou quando o pequeno for dormir.
E faz-se, mesmo e apenas se for, efectivamente, importante. Há que ter muito pragmatismo nesta coisa do 'é necessário fazer'. O que também é uma coisa que se aprende depois de se ser mãe (pelo menos, comigo foi assim).
O meu marido (à distância, claro) ajuda em tudo o que consegue (graças a Deus, existe o Skype, não sei mesmo como outros pais e mães aguentavam antigamente esta coisa de estar emigrados...).
Basicamente, a conclusão a que ambos chegámos foi: 'Somos uma equipa, certo? Para a parte boa e para a parte má. E há taaaantos momentos bons (óptimos mesmo), porque raio nos vamos deixar abater e enervar pelos maus?!' (Obviamente, é muito mais fácil termos consciência disto do que conseguirmos colocar sempre este raciocínio em prática, mas, como tudo na vida, é uma questão de repetição e tentativa-erro).
Keep calm and just enjoy being a mom!
Se não for hoje que tudo ficou arrumado e tratado, vai ser amanhã.
E com vocês? Há dias complicados também?
Fonte da Imagem: facebook/mamailustrada

Sem comentários:

Publicar um comentário