terça-feira, 29 de setembro de 2015

Os primeiros passos do bebé | Que cuidados ter?

Aprendendo a ser Mamã | Primeiros passos do bebé

Olá mamãs!

Hoje recebi um email de uma mamã muito aflita porque queria saber quais os cuidados a ter agora que a sua pequenina começou a dar os primeiros passinhos.
Lembro-me tão bem dessa fase... Uma alegria enooorme acompanhada por mil e um medos que nem sabíamos que tínhamos... Entramos no modo 'antecipar': o que poderá acontecer, onde poderá cair, onde será mais provável magoar-se...

Os pequenos, mal percebem as potencialidades do 'dar corda às perninhas', nunca mais páram quietos! E querem andar mesmo mais depressa do que as pernas! O que, invariavelmente, termina com umas quedas, mais ou menos aparatosas, e algumas (MUITAS) cabeçadas!

Cá em casa, ao início, protegi uma área enooorme da sala... metade da sala era um parque de diversões :) 
O chão estava todo fofinho (coloquei tapetes de yoga por baixo dos tapetes de sala), coloquei em todas as arestas (de mesas, cadeiras e afins) protecções de borracha que comprei no IKEA, e posicionei almofadas em todos os cantos, junto às esquinas das paredes, para amparar eventuais quedas. E deixava o piolho a andar por ali, todo feliz e contente, com brinquedos, peluches e bolinhas.

Claro que, no único centímetro em que não havia protecção nenhuma, era exactamente onde ele ia cair e magoar-se!! 
É a Lei de Murphy ao mais alto nível! Implacável, mesmo!
E, digo-vos, desde essa altura até aos dias de hoje, a questão mantém-se a mesma: posso proteger, antecipar, planear e julgar que: "Ok, desta vez, não há forma de correr mal", mas há SEMPRE uma forma de acontecer uma coisinha que não conseguimos prever. SEMPRE! 

Obviamente, não estou a dizer que não devemos ter cuidados. Devemos, pois. Faz parte do "ser mamã" e do instinto de proteger os nossos filhotes. Mas, o que aprendi, foi que não somos más mães, nem menos mães, porque o nosso piolho, tem um galo enorme no meio da testa! Na altura em que acontece, culpamo-nos e temos certeza de que TODA A GENTE que olha para nós, com o bebé ao colo e vê o aparatoso galo no meio da testa, está a pensar: "aposto que a mãe não estava a ter atenção!" 

Querem saber a verdade? Sim, vai haver quem pense isso. Mas, provavelmente, será alguém que ainda não tem filhos, ou, se os tem, ainda não entrou na fase dos 'primeiros passinhos' e 'primeiras corridas' e 'primeiras subidas para cima de sofás e cadeiras e...'

E a verdade é que irão também haver muitas mamãs que irão olhar para o tão enorme galo na testa do nosso bebé, irão chegar-se ao pé de nós, e dizer: "Lembro-me tão bem dos sustos que apanhei nessa fase. Por mais que fizesse, o meu traquinas arranjava sempre forma de se magoar. Mas é só uma fase, e passa".

As crias são assim mesmo :) Fazer dói-dóis faz parte do 'aprender limites', do 'aprender o certo e o errado'.
Mas, como em todas as outras fases porque já passamos (as cólicas, as febres dos primeiros dentinhos, as primeiras viroses na creche...), também nesta fase vamos ser as melhores mamãs do mundo para os nossos piolhos. E, quando dermos conta, já mudámos de fase outra vez :)  

Para as mamãs que estão a entrar agora nos 'primeiros passinhos', deixo umas dicas:
1) Proteger esquinas de mesas (básico, mas cá em casa não evitou cabeçadas porque o piolho arrancava as protecções com os dentes...);
2) Ter atenção aos brinquedos espalhados junto ao bebé, porque ele pode escorregar neles ou cair em cima de algum e PUMBA: galo, lábio traçado... (esta é quase impossível de 'controlar', e aconteceu algumas vezes cá em casa também);
3) Evitar deixar junto ao bebé coisas que ele possa usar para empilhar (almofadas, ursos grandes...) e subir (aos 7 meses, o reguila cá de casa já subia para cima do sofá, da mesinha da sala... muitos sustos apanhei eu...e cada vez apanho mais, porque agora com 2 anos, já o apanhei em cima da bancada da cozinha!);
4) Proteger tomadas (eles têm uma adoração por tomadas, não percebo...);
5) Repetir muitas vezes para os pimpolhos: "cuidado, assim faz dói-dói", porque, às tantas, eles percebem, garanto-vos!
6) E, principalmente, ter muita PACIÊNCIA! 

É uma fase linda, mamãs, e passa tão depressa... Ainda há uns meses estavam dentro da nossa barriga, agora, já querem andar... 
Umas cabeçadas não são nada, se pensarmos que, a partir de agora, as possibilidades de acontecer um 'dói-dói' vão crescer e agravar-se exponencialmente! 
O que é uma cabeçada na esquina da mesinha da sala, quando o piolho pode decidir saltar de cima do sofá e... partir um braço?! Não vos quero assustar, até porque aqui por casa ainda não aconteceu nada disso (só esteve perto, umas 550 vezes...). Quero apenas tentar mostrar que, por mais que os queiramos proteger, e evitar ou antecipar 'dói-dóis', a vida acontece... Lei de Murphy ;)
Por isso, em vez de estar ansiosa e em pânico, decidi tentar (disse, TENTAR), não andar sempre feita mamã-paranóica atrás do pequeno a 'controlar' e 'segurar'. 

Há dias sem galos e dias com galos. E é mesmo assim.

Sem comentários:

Publicar um comentário